Marcadores

Mostrar mais

ANTIBIÓTICOS - ANTIBACTERIANOS

1


Disciplina: FARMACOLOGIA

Professor: Edilberto Antonio Souza de Oliveira (www.easo.com.br)

Ano: 2008



APOSTILA Nº 05



RESUMO DOS ANTIBIÓTICOS QUE ATUAM COMO

ANTIBACTERIANOS



Introdução

O termo microrganismo ou micróbio é utilizado, geralmente, para descrever bactérias, fungos e

vírus. E, a palavra parasita é utilizada quando referimos, principalmente, a helmintos e

protozoários, embora também este termo parasita possa ser utilizado para se referir a qualquer

organismo capaz de provocar uma ou mais doenças.

A palavra quimioterapia é utilizada atualmente tanto para o uso de produtos químicos, naturais

ou sintéticos, utilizados para inibir o crescimento de células malignas ou cancerosas no

organismo humano, assim como, para as substancias produzidas por alguns microrganismos

(principalmente bactérias e cogumelos) que tem a capacidade de destruir ou inibir o crescimento

de outros microrganismos, sendo, nestes casos, denominados também de antibióticos,

principalmente, quando agem contra as bactérias, pois, a maioria das doenças infecciosas são

causadas por bactérias.

O termo quimioterapia foi introduzido em 1907 por Paul Ehlich descrevendo os seus estudos

iniciais sobre o parasita (Trypanosoma brucei) transmitido pela mosca conhecida como tsé-tsé, e,

que causa a tripanosomíase africana (doença do sono).

Podem também ser usados outros termos como: antiinfecciosos (significando os fármacos que

agem contra a infecção); bacteriostáticos (agem contra os microrganismos inibindo o

crescimento e a duplicação mas não provoca a destruição, podendo o microrganismo voltar a

crescer com a suspensão do uso do antibiótico); bactericidas (agem com efeito letal e

irreversível sobre os microrganismos sensíveis); fungistáticos (inibindo o crescimento e

duplicação dos fungos mas não provoca a destruição, podendo o microrganismo voltar a crescer

com a suspensão precoce do uso do antibiótico); fungicidas (agem com efeito letal e irreversível

sobre os fungos sensíveis).

Em caso de tratamento com fármaco bacteriostático, os níveis plasmáticos devem ser

mantidos em concentração terapêutica até que a população bacteriana tenha sido reduzida

a um nível subclínico.



Estrutura e funções da célula bacteriana

Os agentes quimioterápicos devem ser tóxicos para os micróbios invasores, e, inócuos para o

organismo humano, sendo útil o conhecimento das diferenças estruturais e bioquímicas entre o

microrganismo e o hospedeiro.

De acordo com o método de Gram utilizado para corar os microrganismos, são classificados

como Gram-positivos os micróbios que são corados por esse método, e, são considerados como

Gram-negativos os que não são corados pelo referido método. O que determina a coloração ou

não corresponde às diferenças estruturais entre as bactérias e as conseqüentes implicações em

relação às ações dos antibióticos.

A célula de uma bactéria gram-positiva é circundada pela parede celular onde se encontra o

peptidioglicano em todas as formas de bactérias, com exceção dos micoplasmas.

O peptidioglicano é formado por cadeias dissacarídicas, ligadas entre si através de pontes

peptídicas.

Internamente à parede celular existe a membrana plasmática formada por dupla camada de

fosfolipídios e proteína, onde toda a energia da célula é produzida.

Não existe qualquer tipo de esterol na membrana plasmática. 2

No interior da célula bacteriana existe o citoplasma contendo as proteínas solúveis, os

ribossomos que participam da síntese de proteínas, entretanto, a célula bacteriana não contém

mitocôndria, nem núcleo, nem histonas, existindo somente um cromossomo onde se encontra

toda a informação genética da bactéria.

A célula de uma bactéria gram-negativa além de apresentar as estruturas da gram-positiva,

possui de fora para dentro, uma membrana externa à parede celular com dupla camada de

lipídios, contendo proteína, semelhante à membrana plasmática, possuindo também

polissacarídeos que diferem nas diferentes cepas de bactérias, sendo importantes fatores que

determinam a antigenicidade da bactéria, constituindo as endotoxinas que podem desencadear

reações inflamatórias, ativar o sistema complemento, provocar a febre e/ou outros aspectos da

inflamação.

Entre a membrana externa e a membrana plasmática existe o espaço periplasmático que contém

enzimas e outros componentes.

Portanto, a complexidade da membrana externa da bactéria gram-negativa também dificulta a

penetração de antibióticos, sendo que alguns destes são menos ativos contra gram-negativos do

que contra gram-positivos.

Os antibióticos que apresentam problemas de penetração na bactéria gram-negativa, são:

Penicilina G, meticilina, rifampicina, ácido fusídico, vancomicina, bacitracina, novobiocina,

e, os macrolídeos.

Os principais microrganismos gram-negativos são:

Cocos: neisserias (gonococos – meningococos).

Bacilos: Bacteroides – Enterobacter – Escherichia – Klebsiella – Proteus – Salmonella –

Shigella – Providencia – Acinetobacter – Bordetella – Brucella – Haemophilus ducreyi –

Francisella tularensis.

Os principais microrganismos gram-positivos são:

Cocos: estafilococos – estreptococos.

Bacilos: Clostridium – Bacillus – Listeria – Corynebacterium.

São divididas em três classes gerais, as reações bioquímicas que envolvem a formação das

bactérias gram-negativas e gram-positivas:

Classe I – corresponde a utilização de glicose ou de alguma outra fonte de carbono para a

produção de energia (ATP) e de compostos simples de carbono, que são utilizados como

precursores na classe seguinte de reações.

Classe II – compreende a utilização da energia (adquirida na reação bioquímica classe I) e dos

precursores para produzir todas as pequenas moléculas, como os aminoácidos, nucleotídeos,

fosfolipídios, carboidratos, aminoaçúcares, e, fatores de crescimento.

Classe III – as pequenas moléculas produzidas na reação classe II são agrupadas em moléculas

maiores (macromoléculas), como as proteínas, RNA, DNA, polissacarídios e peptidioglicano.

A enzima denominada DNA girase ou topoisomerase II é a responsável pela iniciação da síntese

de DNA na bactéria.

Portanto, o conhecimento dessas classes de reações bioquímicas que ocorrem na bactéria,

também são importantes para o estudo das ações dos antibióticos.



Resumo sobre DNA recombinante, plasmídios, transposons, e, biofilme



O DNA recombinante consiste em um novo tipo de molécula de DNA construída a partir de

dois ou mais segmentos diferentes de DNA, ou seja, consiste na habilidade de construir novas

combinações de moléculas de DNA que não existiam na natureza. Novas técnicas de

recombinação de DNAs estão sendo desenvolvidas e cada vez mais, está sendo possível

manipular a engenharia genética.

Testes de DNA para determinação de paternidade são hoje em dia realizados por meio da

tecnologia de PCR (polymerase chain reaction ou reação de polimerase em cadeia).

O PCR consiste em fazer cópias de DNA “in vitro”, usando os elementos básicos do processo de

replicação natural do DNA. 3

Em exames clínicos a técnica de amplificação de DNA pela reação da polimerase em cadeia

(PCR, Polymerase Chain Reaction) é muito utilizada. No diagnóstico de infecção de um

paciente por um determinado vírus, por exemplo, a técnica permite a amplificação

específica de material genético do vírus. A especificidade da reação é garantida pelos

oligonucleotídeos iniciadores, complementares à seqüência do DNA viral.

Frequentemente, as bactérias são utilizadas como hospedeiros para a manutenção e amplificação

de moléculas de DNA recombinante derivadas de bactérias ou até mesmo de organismos

superiores. Mas existem diferentes métodos para se criar moléculas de DNA recombinante, onde

cada um explora as propriedades de enzimas diferentes.

O organismo recombinante corresponde ao que tem inserido em seu material genético gene(s)

de organismo(s) da mesma espécie a qual pertence (contrapondo-se ao organismo transgênico

que recebe material genético de organismo de espécie distinta).

O organismo transgênico compreende o que tem inserido em seu material genético gene(s) de

organismo(s) de outra espécie. É usado também de uma maneira mais ampla, abrangendo

organismos que têm seu material genético manipulado.

Os plasmídeos (também denominados Plasmídios) são moléculas de DNA circulares,

covalentemente ligadas, com tamanhos variando entre a mil vezes menores a dez vezes menores

que o cromossomo bacteriano. A maioria das bactérias conhecidas transporta um ou mais tipos

de plasmídios. Os genes que transportam não são essenciais à sobrevivência da bactéria, mas

podem condicionar características adicionais tais como fatores de virulência, resistência a

agentes antimicrobianos, bacteriocinas, toxinas, fixação de nitrogênio e utilização de fontes não

usuais de carbono.

Muitas das características condicionadas por genes plasmidianos contribuem para a

adaptabilidade da bactéria em condições especiais. As bactérias não constroem seus próprios

plasmídios, mas os adquirem através do fenômeno da conjugação bacteriana, na qual uma

bactéria transportando um plasmídio o transfere para uma outra bactéria, mantendo para si uma

cópia deste.

O transposon corresponde à pequena seqüência de DNA que é capaz de se mover dentro do

genoma de uma localização para outra, portanto, os transposons são fragmentos de DNA linear

considerados elementos genéticos móveis capazes de se inserirem em diferentes pontos do

cromossomo bacteriano Após inserir-se em um determinado sítio do cromossomo, o transposon

pode deixar uma cópia neste sítio, e, inserir-se em outro ponto do cromossomo, um fenômeno

denominado transposição. Os transposons codificam uma ou mais proteínas que conferem

características como resistência a drogas antimicrobianas, enterotoxinas, e, enzimas

degradativas.

O Biofilme consiste na comunidade estruturada de células aderentes a uma superfície inerte

(abiótica) ou viva (biótica). A maior parte da atividade bacteriana na natureza ocorre, não com as

células individualizadas, mas com as bactérias organizadas em comunidades sob a forma de um

biofilme.

As bactérias estão presentes nos ambientes ou como células livres ou formando comunidades

microbianas que variam em complexidade. Como células livres encontram-se em suspensão no

ar, mergulhadas na água, associadas a tecidos animais ou vegetais, sobre ou no interior de

partículas de solo, sobre rochas e objetos. Contudo, a vida microbiana na forma de células

isoladas não é freqüente na natureza, inclusive a maioria das bactérias encontradas em condições

naturais ou em equipamentos clínicos ou industriais vivem em comunidades aderidas às suas

superfícies. Comunidades microbianas complexas são responsáveis pelos ciclos biogeoquímicos

que mantém a vida no planeta.

Os biofilmes também têm importância clínica, por exemplo, a placa bacteriana que se forma

sobre a superfície dos dentes, a colonização bacteriana de cateteres, e, implantes plásticos são

exemplos de biofilmes que podem causar doenças. Infecções hospitalares em pacientes com

cateteres urinários ou venosos são geralmente precedidas pela formação de biofilmes nas paredes

internas dos cateteres, pois, fragmentos liberados do biofilme podem penetrar na bexiga ou na

corrente sangüínea. Biofilmes também se formam sobre implantes plásticos contaminados como

em válvulas cardíacas artificiais. 4

Instrumentos esterilizados podem ser contaminados com membros da microbiota orgânica

durante sua inserção. Se o cateter permanecer no local por um período de tempo, os biofilmes

desenvolvem-se, e, servem de fonte de infecções duradouras por liberam células bacterianas

continuamente.

Os membros de biofilmes são mais refratários a antibióticos que organismos livres, e, são

parcialmente protegidos da ação destruidora dos fagócitos. Implantes plásticos contaminados

com bactérias são removidos cirurgicamente ao invés de se tratar o paciente com antibióticos.

Pesquisas são feitas para o desenvolvimento de plásticos que inibam a formação de biofilmes.

Os fatores que contribuem para que as bactérias tenham grande capacidade de se aderir, e,

colonizar quase qualquer tipo de superfície com a qual entrem em contato incluem flagelos,

fímbrias, adesinas e polímeros da cápsula bacteriana, além de forças de adesão como atração

eletrostática e hidrofóbica, força de Var der Walls, pontes de hidrogênio, e, ligações covalentes.



Resistência bacteriana



A resistência bacteriana ocorre quando a bactéria evolui para combater o mecanismo de ação do

fármaco.

Acredita-se que o desenvolvimento da resistência bacteriana a antibióticos foi acelerada

pelo uso indiscriminado desses medicamentos tanto nos seres humanos, quanto no gado.

Estudos têm mostrado que existem três tipos de resistência bacteriana: Resistência intrínseca,

resistência por mutação, e, resistência mediada por plasmídio.

A resistência intrínseca é descrita quando a bactéria evolui para a produção de uma enzima capaz

de degradar o fármaco, por exemplo, a enzima b-lactamase, sendo uma resistência intrínseca ao

microrganismo.

A resistência por mutação ocorre com a evolução, e, mutação que leve a alteração estrutural do

microrganismo impedindo as ações do fármaco.

A resistência mediada por plasmídio é a que envolve a passagem de informação da resistência

por mutação de um microrganismo para outro, assim, o DNA alterado, que confere a resistência,

é envolvido (empacotado) dentro de um plasmídio que pode ser transferido a outros organismos.



Sepse



A infecção é conceituada como a reprodução, e, o desenvolvimento de micróbios patogênicos

levando à resposta do organismo.

A palavra séptica vem do grego septikos que significa “que causa putrefação”, atualmente

interpretado como o que causa infecção. A palavra sepsia também vem do grego sepsis

significando “podridão”.

A sepse é conceituada como uma reação de adaptação inadequada infecção grave em que ocorre

a liberação de uma variedade de mediadores inflamatórios (conhecidos também como agentes

inflamatórios).

Esses mediadores tanto podem ser produtos metabólicos bacterianos, como citocinas produzidas

pelos seres humanos durante a inflamação ou outra doença inflamatória. Assim, podem causar a

falência de vários sistemas orgânicos, como por exemplo, a supressão da função cardíaca, e, a

síndrome de angústia respiratória aguda, sendo comum o desenvolvimento de insuficiência renal,

além da possibilidade de provocar a coagulação intravascular disseminada.



Antibióticos antibacterianos bacteriostáticos e bactericidas



Alguns antibióticos antibacterianos podem ser bactericidas ou bacteriostáticos, na dependência

do microrganismo ou da associação com outros antibióticos, por exemplo, o cloranfenicol, que

age como bacteriostático contra muitos microrganismos, é bactericida contra o Haemophilus

influenzae. As sulfas e a trimetoprima, isoladamente, são bacteriostáticas, entretanto, quando

associadas tornam-se bactericidas. 5

Os principais antibióticos que são considerados bactericidas, são: Amoxicilina – ampicilina –

bacitracina – canamicina – carbenicilina – cefalosporinas – estreptomicina – gentamicina –

oxacilina - penicilina - polimixina - rifampicina.

Os principais antibióticos que são considerados bacteriostáticos são: Ácido nalidíxico -

eritromicina – lincomicina – nitrofuranos – tetraciclina.



Sensibilidade da bactéria ao antibiótico



A sensibilidade da bactéria ao antibiótico constitui fator importante para o sucesso

terapêutico da respectiva infecção bacteriana, e, o ideal é que o antibiótico a ser usado para

o tratamento de determinada infecção seja selecionado após a identificação e determinação

de sua sensibilidade ao fármaco. No entanto, em pacientes críticos em que a espera possa ser

fatal ou que faltem recursos para a realização destes exames, deve ser indicada a terapia empírica

imediata.

Assim, a escolha do antibiótico na ausência de dados da sensibilidade deve ser

fundamentada pela história clinica, e, o respectivo local da infecção, além de levar em

consideração o estado geral do paciente, as condições do sistema imunológico, da função renal,

da função hepática, e, inclusive, em caso de mulher, deve ser observada se existe a contra-

indicação do uso do fármaco em caso de gravidez ou lactação.

Quando se refere a um antibiótico, o termo amplo espectro significa que o fármaco é eficaz

contra muitos micróbios, enquanto um antibiótico é considerado de espectro limitado quando a

eficácia é limitada a alguns microrganismos.

A sensibilidade da bactéria ao antibiótico não deve ser confundida com a hipersensibilidade do

individuo ao antibiótico, o que corresponde a reação alérgica.

O local e a natureza da infecção são fatores importantes na escolha do antibiótico, por exemplo,

uma infecção na pele causada por estafilococo pode responder bem ao uso de antibiótico

bacteriostático, entretanto, se o mesmo microrganismo provocar uma septicemia, deve ser

utilizado um antibiótico bactericida, inclusive em altas doses.

A resistência microbiana aos antibióticos tem recebido cada vez mais a atenção do Sistema

Público de Saúde devido aos altos índices presentes nos hospitais no Brasil.

A determinação da sensibilidade de bactérias aos antimicrobianos é uma das principais funções

do microbiologista clínico. Vários tipos de exames podem ser solicitados ao laboratório para

auxiliar a escolha terapêutica, por exemplo, o teste laboratorial mais adequado para cada

situação clínica como:

1 – Em caso de paciente ambulatorial, mulher jovem, com sua primeira infecção urinária, torna-

se recomendável o antibiograma de difusão em disco.

O antibiograma corresponde à determinação, em laboratório de Microbiologia, do grau de

sensibilidade de um microrganismo a determinados antibióticos ou antibacterianos. Serve como

orientação para a prescrição da droga mais adequada para o tratamento.

2 - Paciente com infecção hospitalar por bactéria multirresistente deve ser verificada a

concentração mínima inibitória do antibiótico.

3 – Em caso de paciente com osteomielite crônica fazendo uso de antibióticos nefrotóxicos, deve

ser avaliado o poder bactericida do soro do paciente, durante tratamento



Resumo sobre os Fármacos Antineoplásicos



Estudos revelam que a quimioterapia antineoplásica começou a ser utilizada no final do século

XIX, com a descoberta da solução de Fowler (arsenito de potássio) por Lissauer, em 1865, e, da

toxina de Coley (associação de toxinas bacterianas), em 1890.

Entretanto, foi a partir da observação dos efeitos da explosão de um depósito de gás mostarda em

Bari, Itália, em 1943, durante a Segunda Guerra Mundial, ocasionando mielodepressão intensa e

morte por hipoplasia de medula óssea entre soldados expostos, foi estudada a administração do

gás mostarda em pacientes com linfoma de Hodgkin, e leucemia crônica, constituindo um 6

projeto de pesquisa desenvolvido por farmacologistas do Pentágono, o que acelerou, então,

inúmeras pesquisas buscando-se ampliar o potencial de ação, e reduzir a toxidade dessas drogas.

As neoplasias recebem nomes diferentes de acordo com a localização e forma:

Tecido epitelial - CARCINOMA Tecido conjuntivo – SARCOMA

Gânglios linfáticos – LINFOMA

Glóbulos brancos – LEUCEMIA (que pode variar o nome de acordo com o quadro sangüíneo)



Classificação dos Fármacos Antineoplásicos.

AGENTES ALQUILANTES (são os que interferem principalmente na replicação do DNA):

Mostardas nitrogenadas (Ciclofosfamida, clorambucila, ifosfamida, melfalano)

Alquil sulfonatos (Bussulfano)

Nitrosouréias (Carmustina, fotemustina, lomustina, semustina, estreptozocina)

Etileniminas (Tiotepa)

Triazenos (Dacarbazina, temozolomida)

ANTIMETABÓLITOS (inibem a reprodução celular pela interferência na produção de

proteínas):

Antagonista do folato (Metotrexato, ralitrexato)

Análogo das purinas (Cladribina, fludarabina, mercaptopurina, tioguanina)

Análogos das pirimidinas (Citarabina, capecitabina, fluorouracila, gencitabina)

Compostos de platina (Carboplatina, cisplatina, oxaliplatina)

ANTIBIÓTICOS (são os fármacos antineoplásicos obtidos pela fermentação microbiana):

Bleomicina, doxorrubicina, daunorrubicina, dactinomicina, epirrubicina,

idarrubicina, mitomicina

PRODUTOS VEGETAIS (são os extraídos dos vegetais, e, tem a ação de inibir a divisão

celular na metástase):

Vincristina, vimblastina, vinorelbina, etopósido, tenipósido

HORMÔNIOS E ANÁLOGOS (influenciam nos processos ligados à síntese de RNA e

proteínas):

Esteróides adrenocorticais – Androgênios – Antiandrogênios - Estrógenos - Antiestrógenos

Progestinas

Outros medicamentos antineoplásicos diversos:

Hidroxiuréia – Procarbazina – Hexametilamina – BCG intravesical – Extrato metanólico de

BCG – Imatinib – Fármacos imunomoduladores – Fatores do crescimento celular.

Os profissionais de saúde que manipulam estes fármacos devem lembrar das medidas de

segurança (o uso equipamentos de proteção individual, por exemplo), devendo estar devidamente

qualificados, e, cientes dos riscos, pois, as evidências científicas comprovam que os riscos

advindos da manipulação de quimioterápicos antineoplásicos podem envolver a inalação de

aerossóis, o contato direto da droga com a pele, e, mucosas, além de outras formas de

contaminação que podem provocar danos à saúde dos trabalhadores, como mutagenicidade,

infertilidade, aborto, malformações congênitas, disfunções menstruais, assim como, sintomas

imediatos como tontura, cefaléia, náusea, alterações de mucosas, e, reações alérgicas em

trabalhadores que manipularam essas drogas.



CLASSIFICAÇÃO DOS AGENTES ANTIBACTERIANOS

Os agentes antibacterianos são classificados nos seguintes grupos:

Inibidores da síntese da parede celular – antagonistas de folato – inibidores da síntese de

proteínas – quinolônicos e antissépticos do trato urinário – fármacos antimicobactérias –

antibióticos com ação predominante sobre protozoários.



INIBIDORES DA SÍNTESE DA PAREDE CELULAR - constituem os bactericidas que

interferem na síntese de peptidoglicanos que formam a parede celular dos microrganismos, sendo

que este grupo se subdivide em:

Antibióticos beta-lactâmicos;

Inibidores da beta-lactamase; 7

Outros antibióticos que inibem a síntese da parede celular.

Antibióticos beta-lactâmicos – (apresentam o anel beta-lactâmico fundido com o anel

tiazolidínico): correspondentes aos subgrupos das penicilinas, cefalosporinas,

carbapanêmicos, monobactâmicos.

As penicilinas e as cefalosporinas possuem estruturas similares.



PENICILINAS



As penicilinas obtidas de culturas dos fungos Penicillium notatum e Penicillium chrysogenum,

possuem em sua composição um ácido penicilínico, e, tendo como núcleo o ácido penicilânico

(derivadas do ácido 6-aminopenicilânico)

São consideradas penicilinas naturais: Benzilpenicilina ou penicilina G; penicilina G procaína;

penicilina G benzatina; penicilina V ou Fenoximetilpenicilina.

A benzilpenicilina é usada nas formas livre, de sais sódico ou potássico.

Todos os produtos naturais, após sofrerem transformações químicas, originaram os derivados

semi-sintéticos.

As principais indicações da penicilina são: Infecções cutâneas, articulares, ósseas, vias urinárias,

sendo também freqüentemente utilizadas em casos de faringite, laringite, meningite, bronquite,

sífilis, gonorréia, endocardite.

Constituindo a primeira escolha para muitas infecções, algumas vezes o tratamento com

penicilinas é iniciado de modo empírico quando se acredita que o microrganismo é sensível à

penicilina, enquanto são aguardados os resultados dos exames laboratoriais necessários para a

identificação do microrganismo responsável pela infecção, e, a respectiva sensibilidade a

antibióticos.

A oxacilina, a nafcilina, a cloxacilina e a dicloxacilina são consideradas penicilinas

antiestafilocócicas porque são resistentes as penicilinases.

A ampicilina e a amoxicilina são eficazes contra bactérias gram-negativas sendo denominadas

penicilinas de espectro ampliado.

A amoxicilina é menos afetada pela presença do alimento no trato gastrointestinal do que a

ampicilina. A amoxicilina possui boa atividade contra a Salmonella, enquanto a ampicilina

apresenta boa atividade contra a Shigella. Raramente são utilizadas as penicilinas no tratamento

da meningite em função da incapacidade de atravessar a barreira hematoencefálica.

A carbenicilina, a ticarcilina, e, a piperacilina são denominadas penicilinas antipseudomonas

porque tem ação contra Pseudomonas aeruginosa.



Nomes de alguns fármacos Alguns nomes comerciais:

Benzilpenicilina potássica

(IM e IV em casos de infecções graves como

meningite bacteriana, e, endocardite)

Cristalpen

Megapen



Benzilpenicilina benzatina ou

Penicilina G benzatina

Benzetacil

Longacilin

Benzilpenicilina procaína ou

Penicilina G procaína

Linfocilin

Wycillin

(são associações com a potássica)

Penicilina V ou fenoximetilpenicilina (oral) Meracilina – Pen-ve-oral

Ampicilina (oral, IM e IV) Binotal –Ampicil

Amoxicilina (oral) Amoxil – Novocilin

Carnenicilina (IM e IV) Carbenicilina

Metampicilina Pravacilin

Oxacilina (oral,IM e IV) Staficilin-N

Dicloxacilina (oral,IM e IV) Dicloxacilina

Piperacilina (IM e IV) Tazocin

Mezlocilina (IM e IV) Mezlin

Ticarcilina (IM e IV) Ticar 8

Nafcilina (IM e IV) Unipen

Cloxacilina (oral) Tegopen



A benzilpenicilina não atravessa a barreira hematoencefálica quando não há inflamação no SNC

porque a penicilina circula ligada a albumina do plasma, mas, em caso de inflamação do SNC,

como meningite, a barreira hematoencefálica fica comprometida tornando as aberturas (da

barreira) grandes o suficiente que viabilizam a passagem da penicilina.

A ampicilina e a amoxicilina são consideradas aminopenicilinas, sendo que a amoxicilina é

menos afetada pela presença do alimento no trato gastrointestinal do que a ampicilina. A

amoxicilina possui boa atividade contra a Salmonella, enquanto a ampicilina apresenta boa

atividade contra a Shigella.

Raramente são utilizadas as penicilinas no tratamento da meningite em função da incapacidade

de atravessar a barreira hematoencefálica.

A penicilina G é ineficaz na terapia das infecções causadas por organismos produtores de

penicilinase como estafilococos, bacilos, E. coli, P. aeruginosa e M. tuberculosis. Pois, a

penicilinase provoca a hidrólise do anel beta-lactâmico da penicilina G originando o ácido

penicilóico inativo.

O uso das penicilinas resistentes à penicilinase deve ser reservado para as infecções causadas por

estafilococos produtores de penicilinase.

A oxacilina (Staficilin-N) é específica para bactérias gram-positivas. Oxacilina, cloxacilina,

nafcilina e dicloxacilina são resistentes à penicilinase (produzida pelos microrganismos), sendo

eficazes contra os estafilococos, principais produtores da penicilinase.



Efeitos adversos das penicilinas



Geralmente, as penicilinas apresentam elevado índice terapêutico e relativamente são atóxicas

para o organismo humano.

As reações alérgicas constituem os principais efeitos adversos do uso das penicilinas,

freqüentemente, a sensibilização é resultante do tratamento prévio com uma penicilina.

A maioria das reações alérgicas a penicilina é resultante da sensibilidade ao anel beta-lactâmico

na estrutura da penicilina. A penicilina é biotransformada em peniciloíla que se liga a albumina

plasmática, e, essa combinação ativa uma reação imune, o que resulta em grande quantidade de

liberação de histamina.

Quando as reações ocorrem imediatamente são denominadas reações imediatas, em até trinta

minutos após a administração da penicilina, sendo as mais perigosas, e, os sintomas são

provocados principalmente pela liberação de histamina e outras substancias produzidas por

mastócitos e basófilos. Neste caso, os sintomas mais freqüentes correspondem à urticária, asma,

rinite, angioedema, anafilaxia e edema de laringe. São denominadas de reações aceleradas

quando ocorrem entre uma e setenta e duas horas após a administração de penicilinas, sendo que,

embora estas reações, na maioria dos casos não provoque a morte, pode também causar o edema

de laringe e levar ao óbito.

As reações tardias são consideradas quando ocorrem após as setenta e duas horas e até semanas

após a administração da penicilina podendo também provocar erupção, artralgia, e, urticária.

Em pacientes com insuficiência renal, podem ocorrer convulsões ao serem administradas doses

elevadas de penicilinas.

As penicilinas não são nefrotóxicas, porém, principalmente com o uso da meticilina pode ocorrer

a nefrite intersticial alérgica.

Geralmente, doses elevadas de penicilinas podem provocar prolongamento do tempo de

sangramento devido prejudicar as funções das plaquetas.

A meticilina deve ser administrada por via parenteral, não devendo ser administrada por via oral

devido ser ácido-lábil, ou seja, sofre a inativação pelo ácido gástrico, sendo este antibiótico

efetivo contra praticamente todas as linhagens de S. aureus.



CEFALOSPORINAS 9



As cefalosporinas apresentam maior atividade em geral contra bactérias gram-negativas em

comparação com os compostos do tipo da penicilina G, sendo consideradas como segunda

escolha para muitas infecções.

As cefalosporinas possuem um ácido cefalosporínico, e, são obtidas por Cephalosporium

acremonium e Streptomyces lactamdurans.

As principais indicações clínicas das cefalosporinas são: Pneumonia (causada por

microrganismos sensíveis; infecções das vias urinárias, principalmente na gravidez ou em

pacientes que não respondem a outros antibióticos); sinusite (como exemplo, o cefadroxil por via

oral); infecção do trato biliar; meningite, como a ceftriaxona (Rocefin) (Triaxin), e, a cefotaxima

(Claforan); septicemia, por exemplo, a cefuroxima (Zinnat) (Zinacef).

A cefazolina (Kefazol) (Cefamezin) é o antibiótico mais utilizado como profilático na maioria

das cirurgias.

Os efeitos adversos das cefalosporinas consistem principalmente na hipersensibilidade, muito

semelhantes às que ocorrem com a penicilina. Portanto, devem ser administradas com precaução

a pacientes com história de alergia à penicilina. Principalmente com a cefradina (Velosef) foi

relatada a ocorrência de nefrotoxicidade.

Atualmente, as cefalosporinas estão classificadas em quatro grupos: Cefalosporinas de primeira

geração – de segunda geração – de terceira geração – de quarta geração.

Cefalosporinas de primeira geração – consistem nas primeiras cefalosporinas com espectro de

atividade mais estreito do que as de 2ª e 3ª geração, sendo eficazes contra micróbios como os

estreptococos, Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae e Proteus mirabilis. Embora possua boa

atividade contra os cocos gram-positivos e algumas cepas de estafilococos, os enterococos e os

estafilococos resistentes à meticilina não são sensíveis a este grupo de fármacos. Constituem

alternativa às penicilinas antiestafilocócicas ou antiestreptocócicas quando o paciente é alérgico

à penicilina, e, são também usadas em infecções leves a moderadas do trato respiratório, do trato

urinário, da pele e ósseas quando são provocadas por microrganismos sensíveis.

Nomes de alguns fármacos de 1ª geração Alguns nomes comerciais:

Cefazolina (oral, IM e IV)

(antibacteriano mais usado como profilático na

maioria das cirurgias devido apresentar ação

mais prolongada, com boa penetração óssea –

via parenteral)

(Cefamezin)(Kefazol)

Cefadroxil (oral) (Cefamox) (Drocef)

Cefalexina (oral) (Cefalexin) (Keflex)

Cefalotina (IM e IV) Keflin

Cefapirina (IM e IV) Cefadyl

Cefradina (oral, IM e IV) Velosef

Cefaclor * (uso oral)

(tem sido associada à doença do soro)

(Ceclor) (Faclor) (Plecor)



*O cefaclor tem sido classificado por alguns autores como cefalosporina de primeira geração,

enquanto outros autores classificam como de segunda geração, e, cefaclor tem sido utilizada

principalmente para tratamento da otite média aguda e sinusite aguda.

A ocorrência de tromboflebite com a administração endovenosa de cefalotina é considerada

quase universal.

Cefalosporinas de segunda geração – além do espectro semelhante as cefalosporinas de

primeira geração, são mais ativas contra bactérias gram-negativas, sendo também eficazes contra

o Haemophilus influenzae que freqüentemente provoca infecções no trato respiratório e ouvido

médio. Entretanto, nenhuma destas cefalosporinas apresenta atividade contra Pseudomonas

aeruginosa e Acinetobacter.

Nomes de alguns fármacos de 2ª geração Alguns nomes comerciais:

Cefonicida (IM e IV) Manocid

Ceforanida (IM e IV) Precef 10

Cefotetan (IM e IV)

(pode apresentar intolerância a bebida

alcoólica, o efeito tipo dissulfiram, e, também

pode provocar hemorragia devido provocar a

hipoprotrombinemia)

Cefotan

Cefoxitina (IM e IV)

(Utilizada em infecção intra-abdominal e

ginecológica, além de apresentar boa

atividade contra os anaeróbios, como o

Bacteroides fragilis

Mefoxin

Naftato de cefamandol (IM e IV)

(apresenta os mesmos efeitos adversos do

cefotetan)

Mandol

Cefprozila (oral) Cefzil

Cefuroxima (oral e parenteral) Zinnat



Cefalosporinas de terceira geração – consistem em um grupo que é mais eficaz contra as

bactérias gram-negativas do trato gastrintestinal e do trato respiratório. Embora sejam menos

ativas contra cocos gram-positivos do que as cefalosporinas de primeira e segunda geração, as

cefalosporinas de terceira geração são mais potentes contra as Enterobacteriaceae, incluindo as

cepas produtoras de beta-lactamases.

Nomes de alguns fármacos de 3ª geração Alguns nomes comerciais:

Ceftriaxona (IM e IV)

(apresenta a meia-vida mais longa de todas as

cefalosporina, podendo ser administrada uma

vez ao dia, e, apresenta boa penetração óssea)

(Ceftriax) (Rocefin) (Triaxin)

Cefotaxima (IM e IV)

(apresenta boa penetração no LCR)

Claforan

Ceftazidima (IM e IV) (Kefadim) (Fortaz) (Taziden)

Ceftizoxima (IM e IV)

(possui atividade contra Pseudomonas

aeruginosa)

Cefizox

Moxalactama (IV) Moxam

Cefetamet (oral) Globocef

Cefixima (oral) (Cefnax) (Plenax)

Cefoperazona (Cefobid) (Tricef)

Cefpodoxima Orelox

Neste grupo, a ceftazidima é a que possui maior atividade contra a Pseudomonas aeruginosa.

No tratamento da meningite e outras infecções provocadas por Haemophilus influenzae, tem sido

eficazes a ceftazidima e a ceftriaxona (substituindo a associação penicilina+cloranfenicol no

tratamento da meningite pediátrica causada pelo Haemophilus).

Cefalosporinas de quarta geração – apresentam espectro de ação semelhante aos da

cefalosporinas de terceira geração, entretanto, são mais ativas contra estafilococos, enterococos,

Citrobacter, algumas Enterobacteriaceae e Pseudomonas aeruginosa.

Este grupo apresenta íons dipolares e alterações no ácido carboxílico que contribuem para a

penetração mais rápida nas membranas dos microrganismos gram-negativos.

As cefalosporinas de quarta geração apresentam espectro mais amplo de atividade antibacteriana

e são menos sensíveis à hidrólise por algumas beta-lactamases do que as de terceira geração.

Nomes de alguns fármacos de 4ª geração Alguns nomes comerciais:

Cefepima (IM e IV) Maxcef

Cefpiroma (IM e IV) Cefrom



A cefepima é ativa contra microrganismos gram-positivos, e, gram-negativos. 11

Também a maioria das cefalosporinas apresenta baixa penetração no sistema nervoso central,

entretanto, a ceftriaxona (Rocefin) (Triaxin), que constitui uma cefalosporina de terceira

geração, é altamente eficaz no tratamento de meningite bacteriana em crianças, por exemplo,

provocada pelo H. Influenzae.

Em cerca de 5% dos pacientes que recebem cefalosporina ocorre uma reação de

hipersensibilidade que se caracteriza por febre, eosinofilia, doença do soro, erupção, e,

anafilaxia, sendo também freqüente um resultado positivo do teste de Coombs, entretanto,

raramente, ocorre associação com anemia hemolítica. As cefalosporinas são consideradas

agentes potencialmente nefrotóxicos.

A administração intravenosa de cefalotina (Keflin) freqüentemente provoca a tromboflebite.

Principalmente, quando o cefamandol (Mandol,) a Moxalactama (Moxam), a cefoperazona

(Cefobid) Cefatriaxona (Rocefin), e, a cefradina (Velosef) são utilizados, os pacientes devem

ser avisados sobre a ocorrência do efeito dissulfiram, em caso de uso de bebida alcoólica ou

mesmo outro medicamento que contenha álcool (bloqueio da segunda etapa da oxidação do

álcool, provocando o acúmulo de acetaldeído). Também devido à possibilidade do efeito

dissulfiram deve ser recomendado evitar o uso de etanol a todos os pacientes que utilizarem

qualquer fármaco do grupo das cefalosporinas.

Também o cefamandol e a cefoperazona podem provocar a hemorragia devido aos efeitos

antivitamina K, sendo necessária a suplementação desta vitamina.



CARBAPANÊMICOS



Constituem os antibióticos beta-lactâmicos sintéticos que diferem das penicilinas, sendo que um

átomo de carbono substituindo o átomo de enxofre no anel tiazolidina. O antibiótico imipenem

ou imipenema constitui o principal representante deste grupo, administrado por via endovenosa,

com atividade contra microrganismos gram-positivos e gram-negativos, e é resistente à hidrólise

provocada pela maioria das beta-lactamases. A maioria das bactérias aeróbicas são muito

sensíveis ao imipinem, como a Neisseria meningitidis, Neisseria gonorrhoeae e Haemophilus

influenzae. O imipenem é considerado o antibiótico beta-lactâmico mais potente contra os

anaeróbios Bacteróides, Fusobacterium e Peptococcus.

A cilastatina, análogo estrutural imipenem, encontra-se associada na preparação deste fármaco,

formando a imipenem/cilastatina (Tienam) porque a cilastatina bloqueia a biotransformação

renal do imipenem, aumentando sua concentração no trato urinário.

O imipenem e a cilastatina são administrados unicamente por via parenteral, pois, não são

completamente absorvidos por via oral.

Os efeitos adversos do imipenem são: náuseas, vômitos, diarréia, e, em alta concentração pode

provocar convulsões.

Outro exemplo de carbapanêmico comercializado no Brasil é o meropenem (Meronem).



MONOBACTÂMICOS



Constituem também outro grupo de antibióticos beta-lactâmicos sintéticos, com diferença

química no anel beta-lactâmico, sendo o aztreonam (Azactam) atualmente, o único antibiótico

disponível deste grupo, tendo sua principal atividade contra as enterobactérias (gram-negativas),

entretanto, não possui atividade contra gram-positivos e anaeróbios. Pode ser administrado por

via intramuscular e endovenosa, e, embora seja considerado atóxico, pode provocar urticária e

flebite.

Inibidores da beta-lactamase

Alguns microrganismos provocam a hidrólise do anel beta-lactâmico, destruindo a atividade

antibiótica, através da produção das enzima beta-lactamases (que provocam a hidrólise da

ligação amida do anel beta-lactâmico das penicilinas e cefalosporinas) ou produção de um ácido,

assim, este grupo de inibidores de beta-lactamase, embora não possua significativa ação

antibiótica, quando associado a um antibiótico beta-lactâmico, possui a propriedade de ligar-se à 12

enzima inibidora beta-lactamase existente em alguns micróbios, inativando esta enzima, e,

conseqüentemente, favorecendo a ação do antibiótico beta-lactâmico.

Os estafilococos são os principais produtores das enzimas beta-lactamases dentro do grupo das

bactérias gram-positivas (inativando principalmente as penicilinas).

No grupo das bactérias gram-negativas existem variados microrganismos produtores das enzimas

beta-lactamases.

Os principais representantes deste grupo de inibidores da beta-lactamase são: ácido clavulânico,

o sulbactam e o tazobactam.

O antibiótico ácido clavulânico (produzido pelo Streptomyces clavuligerus) é um potente

inibidor das beta-lactamases, num processo de inibição irreversível, tendo sido muito utilizado

em associação com uma penicilina sensível à beta-lactamase para potencializar sua atividade.

Como exemplos, temos a associação do ácido clavulânico com a amoxicilina (Clavulin)

(Novamox) que aumenta a ação deste último contra a Escherichia coli produtora da enzima beta-

lactamase, e, existem também outras associações, como: Sulbactam+ampicilina (Unasyn);

Piperacilina+tazobactam (Tazocin); Ticarcilina+Clavulanato de potássio (Timentin).



Antibióticos polipeptídios que inibem a síntese da parede celular.

Os principais antibióticos polipeptídios que inibem a síntese da parede celular são: a

vancomicina (Vancocina) (Vancocid); bacitracina (Nebacetin) (Cicatrene); polimixina B

(Lidosporin) (Otosynalar) (Elotin); teicoplanina (Targocid).



A vancomicina (Vancocina)(Vancocid) isolada do Streptomyces orientalis,consiste em um

fármaco tóxico, sendo indicado principalmente no tratamento de infecções graves provocadas

por cocos Gram-positivos resistentes aos antibióticos que são comumente empregados, e, que

são menos tóxicos. Principalmente em caso de infecção por Staphyloccocus aureus resistente à

meticilina, incluindo abscesso cerebral, meningite (estafilocócica e estreptocócica), septicemia

bacteriana, endocardite bacteriana.Tem sido freqüentemente utilizada no tratamento das

enterocolites (associada a outros antibióticos) especialmente causadas por C. difficile.

A vancomicina somente pode ser administrada por via intravenosa devido ser não ser absorvida

pelo trato gastrointestinal, e, não existir preparação satisfatória para uso intramuscular.

Entretanto, embora o uso oral da vancomicina não seja eficaz para infecções sistêmicas, também

tem sido utilizada para suprimir a flora intestinal, e, para combater a colite pseudomembranosa

provocada por outros antibióticos.

Inclusive pode provocar a denominada “Síndrome do homem vermelho” que consiste em

provocar rubor em grande parte do corpo do paciente, devido a liberação da histamina,

principalmente, quando a vancomicina é administrada por via endovenosa rapidamente. A

prevenção desta síndrome consiste em administrar uma infusão mais lenta, e a administração

prévia de anti-histamínicos.

Alguns cuidados de enfermagem que devem ser considerados para garantir a

administração segura da Vancomicina são:

1 - Reconstituir o medicamento em água destilada;

2 – Aspirar, e, rediluir em Soro Glicosado a 5% ou Soro Fisiológico 0,9% ou Solução de Ringer

lactato;

3 – Realizar a infusão. Não associar com aminoglicosídeo.

A toxicidade da vancomicina consiste em ototoxicidade com surdez, reações alérgicas até

mesmo reação anafilática, e, segundo alguns pesquisadores, tem levado também à

nefrotoxicidade. O uso oral da vancomicina tem sido relatado para suprimir a flora intestinal, e,

para combater a colite pseudomembranosa provocada por outros antibióticos.



A bacitracina (Nebacetin) (Cicatrene), isolada do Bacillus subtilis e Bacillus licheniformis, é

utilizada somente por via tópica para infecções na pele e no olho, não devendo ser administrada

por outras vias devido ser altamente tóxica. Os microrganismos sensíveis à bacitracina

constituem a maioria das bactérias Gram-positivas, especialmente os estafilococos e 13

estreptococos. Tem sido utilizada também associada a outros fármacos pouco absorvidos,

como a neomicina e a polimixina B, com o objetivo de ampliar seu espectro antimicrobiano.

A polimixina B (Lidosporin) (Otosynalar) (Elotin) é utilizada somente por via tópica,

geralmente associada a outro fármaco, no tratamento de infecções da pele, dos olhos e dos

ouvidos, pois, a polimixina ser extremamente nefrotóxica e neurotóxica. Como não é absorvida

de maneira significativa pela pele, pode ser utilizada por gestantes e lactantes para uso

dermatológico. A atividade principal da polimixina é contra microrganismos gram-negativos,

especialmente a Pseudomonas aeruginosa, Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae e

Enterobacter aerogenes.



A teicoplanina (Targocid) é utilizada no tratamento de infecções bacterianas graves, e, como

alternativa à vancomicina no tratamento de infecções graves por microrganismos Gram-

positivos. Administrada unicamente por via parenteral, pode ocorrer dor, eritema e tromboflebite

no local da administração.



ANTAGONISTAS DE FOLATO



Os microrganismos também precisam do ácido fólico para crescer ou reproduzir, sintetizando o

folato a partir do PABA (ácido p-aminobenzóico), da pteridina e do glutamato. (Enquanto o

organismo humano não tem a capacidade de sintetizar o ácido fólico, devendo captar o folato

pré-formado na forma de vitamina da dieta). Os antibióticos antagonistas de folato são

considerados bacteriostáticos, e, inibem a síntese do ácido fólico, constituindo, principalmente,

os seguintes antibióticos: sulfonamidas e trimetoprima.

Sulfonamidas:

As sulfonamidas, primeiros agentes quimioterápicos eficazes usados no ser humano para a

profilaxia e a cura de infecções bacterianas, e, comumente conhecidas como sulfas, apresentam

semelhança estrutural com o PABA impedindo a formação do ácido fólico pelo microrganismo,

pois, a sulfa compete com o PABA pela enzima diidropteroato sintetase, e conseqüentemente

inibe a síntese do precursor ácido tetraidrofólico.

Geralmente, as sulfonamidas são utilizadas na forma de sais sódicos facilmente solúveis em

água. As sulfas mais utilizadas são as de ação intermediária, com meia-vida de dez a doze horas,

principalmente o sulfametoxazol que tem sido associado à trimetoprima (Bactrim) (Infectrin).

A sulfadiazina também é utilizada associada ao trimetoprim (Triglobe). A trimetoprima

também inibe a síntese do ácido tetraidrofólico através da inibição da enzima redutase do ácido

diidrofólico. Esta associação sulfa + trimetoprima é também denominada de cotrimoxazol,

possui maior atividade antimicrobiana do que quantidades equivalentes de qualquer dos dois

fármacos separadamente. A trimetoprima é cerca de 20 a 50 vezes mais potente do que o

sulfametoxazol, entretanto, é observada resistência à trimetoprima em bactérias Gram-negativas.

As principais indicações clinicas desta associação são as seguintes: Infecções das vias urinárias e

respiratórias; infecção pelo Pneumocystis carinii, que causa pneumonia em pacientes com AIDS.

A trimetoprima é indicada para o tratamento da prostatite bacteriana (muitos antibióticos não

conseguem atravessar o epitélio prostático e penetrar na próstata, como a penicilina), e, a

trimetoprima concentra-se na próstata onde o fármaco torna-se ionizado não retornando de volta

para o plasma.

A sulfassalazina (Azulfin), considerada uma sulfonamida intestinal, é utilizada no tratamento da

colite ulcerativa e também na artrite reumatóide, possuindo ação antiinflamatória através da

inibição da enzima cicloxigenase.

As sulfonamidas, em sua maioria, são rapidamente absorvidas no trato gastrintestinal, e, atingem

concentrações plasmáticas máximas em 4 a 6 horas, entretanto, não devem ser utilizadas em

gestantes a termo em função da permeabilidade da placenta a esses agentes e do contato com o

feto podendo provocar efeitos tóxicos, inclusive as sulfonamidas não devem ser ministradas a

recém-nascidos, especialmente prematuros, nem a crianças com menos de dois anos de idade,

porque estes fármacos competem com a bilirrubina pela albumina sérica, resultando em níveis 14

aumentados de bilirrubina livre, o que provoca a icterícia. Neste caso, a bilirrubina livre pode

penetrar no sistema nervoso central provocando o kernicterus.



O termo kernicterus vem do alemão significando “núcleo ictérico” consistindo no aumento de

bilirrubina (impregnação bilirrubínica) nos gânglios da base, tronco cerebral, e, cerebelo.

Clinicamente, corresponde a uma síndrome associada com hiperbilirrubinemia (altas

concentrações sanguíneas de bilirrubina não conjugada) que penetra no cérebro, e, age como

uma neurotoxina, geralmente em associação com condições que prejudicam a barreira

hematoencefálica, por exemplo, em caso de sepse, provocando: Letargia, recusa alimentar, e,

vômitos (principalmente nos recém-nascidos). A seguir, podem ocorrer opistótono, convulsões,

e, óbito.

Outros sinais do Kernicterus são: Atetose, espasticidade muscular ou hipotonia, olhar fixo na

vertical, e, surdez.

O opistótono consiste no espasmo grave e prolongado dos músculos causando a curvatura

acentuada das costas, enquanto a cabeça se inclina para trás sobre o pescoço; os braços e mãos

flexionam rigidamente nas articulações; e, os calcanhares curvam-se sobre as pernas.

A atetose consiste em uma discinesia (distúrbio do movimento) caracterizada pela inabilidade

em manter os dedos das mãos e pés, língua ou outras partes do corpo em uma posição estável,

resultando em movimentos involuntários flutuantes, e, lentos.

Outra condição clínica que pode provocar o kernicterus é a eritroblastose fetal (tipo de anemia

hemolítica, ou seja, a destruição rápida das hemácias resultante da reação antígeno-anticorpo em

recém-nascidos devido à incompatibilidade do grupo sangüíneo fetal-materno).

Fisiologicamente, as hemácias quando são destruídas, parte dos anéis pirrólicos (que existem na

estrutura das hemácias) são aproveitados pelo fígado para formar a bilirrubina que é importante

para a formação da bile. Normalmente, existe bilirrubina na corrente sangüínea, mas, em

quantidade limitada.



As sulfonamidas possuem também várias aplicações tópicas, seja em queimaduras contra

microrganismos Gram-negativos e Gram-positivos, como a sulfacetamida associada à

trietanolamina (Paraqueimol), a sulfadiazina de prata (Dermazine); assim como em outras

infecções como em otites, como a mafenida (4-aminometilbenzenossulfonamida) (Otosulf); no

tratamento de vaginites, como o sulfatiazol + sulfabenzamida + sulfacetamida (Vagi-Sulfa).

Os efeitos adversos das sulfonamidas consistem em náusea, vômitos, cefaléia e depressão.

Devendo ser observado o aparecimento de erupções cutâneas alérgicas. Podendo também ocorrer

de reações de hipersensibilidade, inclusive o aparecimento de febre. Podem ocorrer também

efeitos adversos graves, como a hepatite, depressão da medula óssea, e, cristalúria que pode

provocar a nefrotoxicidade.

Para evitar a cristalúria, torna-se necessário que o paciente em uso de sulfas que mantenha

ingestão adequada de líquidos, inclusive para também a manutenção de uma urina alcalina, pois,

as sulfonamidas tendem a se cristalizar na urina, e, provocar depósitos nos rins devido à

precipitação de metabólitos acetilados na urina, podendo lesar os túbulos renais, causar dores e

riscos ao paciente. Embora acelere a excreção urinária da droga, a alcalinização da urina com

bicarbonato ou lactato reduz a tendência em causar a cristalúria.

A trimetoprima também pode provocar alguns efeitos adversos como: náuseas, vômitos,

distúrbios hematológicos e erupções cutâneas.



INIBIDORES DA SÍNTESE DE PROTEÍNAS



Os inibidores da síntese de proteínas são podem divididos nos seguintes fármacos ou grupos de

fármacos: 1. Aminoglicosídeos; 2. tetraciclinas; 3. macrolídeos; 4. anfenicóis; 5.

lincosamidas.

Aminoglicosídeos ou Aminociclitóis:

O termo aminoglicosideo (ou aminociclitol) é originado da estrutura destes fármacos que

possuem dois aminoaçúcares unidos por ligação glicosídica a um núcleo central hexose 15

(aminociclitol), e, são produzidos por espécies dos gêneros Streptomyces e Micromonospora,

sendo que alguns são semi-sintéticos.

Todos os aminoglicosídeos não são bem absorvidos no trato gastrintestinal, pois são policátions

altamente polares, sendo administrados por via parenteral, sendo rapidamente bactericidas. Não

atravessam a barreira hematoencefálica para o SNC. São transportados ativamente através da

membrana celular bacteriana, unem-se irreversivelmente a uma ou mais proteínas receptoras

específicas dos ribossomos do microrganismo (unidade 30S), o que provoca leitura errada do

DNA, resultando na biossíntese de proteínas não-funcionais, o que causa a morte do

microrganismo, com ação bactericida, embora a maioria dos demais antibióticos que interferem

na síntese de proteínas sejam predominantemente bacteriostáticos.

Embora sejam eficazes contra muitos microrganismos aeróbicos gram-negativos, e, alguns gram-

positivos, os microrganismos anaeróbios são resistentes aos aminoglicosídeos (baixa atividade

contra estreptococos e pneumococos). A resistência aos aminoglicosídeos tem se tornado um

problema, principalmente pela inativação do antibiótico provocada por enzimas microbianas

(calculadas em número de nove ou mais). Esta resistência tem sido superada pelo uso simultâneo

de penicilina e/ou vancomicina.

Os principais aminoglicosídeos são: estreptomicina (o mais antigo do grupo); gentamicina

(Garamicina), amicacina (Novamin), tobramicina (Tobramina) (Tobrex), netilmicina

(Netromicina), neomicina (Neomicina), espectinomicina (Trobicin).

A estreptomicina que no passado foi um importante antibiótico, atualmente tem sido pouco

utilizada, pois, existem aminoglicosídeos mais eficazes contra outros microrganismos, inclusive

vem sendo substituído no tratamento da tuberculose por tuberculostáticos mais eficazes.

A gentamicina é o mais comumente utilizado; a amicacina é o que possui mais amplo dos

espectros antibacterianos, e, assim como a netilmicina tem sido eficaz em infecções resistentes à

gentamicina e a tobramicina.

A neomicina é muito tóxica, não devendo ser administrada por via parenteral. A neomicina não

é significantemente absorvida no trato gastrintestinal, tem sido utilizada, por via oral, nos

pacientes com coma hepático tendo efeito benéfico devido reduzir a produção e excreção de

amônia, conseqüentemente, reduzindo os níveis de nitrogênio livre na corrente sangüínea devido

à ação da neomicina em reduzir os coliformes fecais, sendo que este antibiótico é excretado nas

fezes.

A espectinomicina (Trobicin) tem sido utilizada como segunda escolha no tratamento da

gonorréia endocervical, retal e uretral, quando o paciente é alérgico à penicilina ou a Neisseria

gonorrhoeae é penicilino-resistente.

Em pneumonia provocada por cepas sensíveis de Escherichia coli pode se utilizar a associação

de um aminoglicosideo com uma ampicilina. No tratamento de infecções por Pseudomonas

aeruginosa tem sido utilizada a tobramicina, gentamicina ou amicacina isolada ou em associação

com uma penicilina que age contra Pseudomonas (piperaciclina ou ticarcilina).

Todos os aminoglicosídeos são potencialmente tóxicos para ambos os ramos do oitavo nervo

cranial, envolvendo, principalmente as porções sensório-receptoras da orelha interna. Portanto,

devido a ototoxicidade, que freqüentemente é irreversível, pode ocorrer vertigem, ataxia e perda

de equilíbrio (nos casos de lesão vestibular) e surdez (no caso de lesão coclear). A

nefrotoxicidade que também pode ocorrer, pode ser revertida com a suspensão do uso do

antibiótico.



Tetraciclinas

O nome tetraciclina está relacionado a existência de quatro anéis fusionados com um sistema de

duplas ligações conjugadas que formam estes compostos, derivados de diversas espécies de

Streptomyces As substituições nestes anéis levam às variações farmacocinéticas. O mecanismo

de ação das tetraciclinas, que são bacteriostáticas, consiste na ligação do fármaco com estruturas

(subunidade 30S) do ribossoma inibindo a síntese de proteína pelo microrganismo.

Atualmente, as tetraciclinas são utilizadas no tratamento da Doença de Lyme, nas infecções

por clamídia, e, por riquétsias. 16

Os principais fármacos deste grupo são: tetraciclina (Tetrex), oxitetraciclina (Terramicina),

doxiciclina (Vibramicina), minociclina (Minomax). A tetraciclina e a oxitetraciclina possuem

ação curta (entre 8 a 9 horas em pacientes normais), enquanto a doxiciclina e a minociclina

apresentam ação longa (entre 11 a 23 horas em pacientes normais).

As tetraciclinas devem ser administradas antes das refeições, pois, a absorção é dificultada

quando administrada nas refeições principalmente com a presença de leite e derivados, antácidos

(contendo Ca, Mg ou Al), preparações vitamínicas (contendo ferro), e, catárticos devido à

formação de quelatos não-absorvíveis de tetraciclina com íons cálcio. Sendo recomendado o uso

de tetraciclina uma hora antes dos citados fármacos ou três horas após a administração.

A tetraciclina é utilizada no tratamento da acne, e, possui atividade contra microrganismos que

causam infecções não complicadas do trato geniturinário, como Chlamydia trachomatis e

Ureaplasma urealyticum, e, é utilizada no tratamento de outras patologias como amebíase extra-

intestinal (concomitante ou subseqüentemente com metronidazol), conjuntivite. A maioria das

cepas de estreptococos é resistente às tetraciclinas.

A minociclina é útil na erradicação do meningococo (Neisseria meningitidis) em portadores,

pois, aparece na saliva e na lágrima, além de penetrar no cérebro onde alcança níveis mais

elevados do que as demais tetraciclinas, entretanto, não é eficaz em infecções do SNC. A

toxicidade vestibular da minociclina limita o seu uso, devido se concentrar na endolinfa do

ouvido interno e afetar sua função, provocando tonturas, náuseas, e, vômitos.

A maioria das tetraciclinas passa para a urina por filtração glomerular, com exceção da

doxiciclina, a única destas que pode ser utilizada no tratamento de infecções em pacientes com

comprometimento renal, pois, seu metabólito é eliminado preferencialmente pelas fezes, após ser

sercretada pela bile.

As tetraciclinas não devem ser administradas por via intramuscular porque provoca muita dor, e,

em qualquer apresentação não devem ser administradas durante a gestação ou a qualquer criança

com a idade inferior a oito anos devido a tetraciclina além de atravessar a barreira placentária, se

concentrar nos ossos, dentes fetais, e, esmalte dos dentes em desenvolvimento, produzindo uma

coloração marrom ou amarela, e, hipoplasia do esmalte.

Principalmente com a tetraciclina e a doxiciclina pode ocorrer a fototoxicidade (queimaduras

solares graves) se o paciente em tratamento com um destes fármacos se expõe à luz solar ou ao

raio ultravioleta.

Como a doxiciclina, e, a minociclina são lipofílicas, e, são excretadas pela bile, apresentam

longa duração (sujeitas ao ciclo êntero-hepático) podendo ser utilizadas por pacientes com a

função renal comprometida, pois, não são eliminadas pelo rim.

Qualquer microrganismo resistente a uma das tetraciclinas passa a ser resistente a todas,

inclusive a maioria dos estafilococos produtores de penicilinase, e, a maioria das cepas de

estreptococos são também resistentes às tetraciclinas.



Macrolídeos ou Macrolídicos



Produzidos por espécies de Streptomyces, os macrolídeos ou macrolídicos consistem em

antibióticos que se caracterizam por apresentar cinco traços químicos comuns: uma lactona

macrocíclica, um grupo cetônico, um ou dois aminoaçúcares, um açúcar neutro e grupo

dimetilamino no resíduo de açúcar. Inibem a síntese de proteínas pelos microrganismos, e,

dependendo do tipo de microrganismo e do efeito da concentração, podem ser bactericidas ou

bacteriostáticos. Os macrolídeos não penetram no SNC, entretanto, todos os macrolídeos não

devem ser utilizados em gestantes nem em lactantes. Os macrolídeos também não são

recomendados em pacientes em uso de anticoncepcionais orais, pois, ocorrer interferência com o

citocromo P-450, e, provocar prurido e icterícia.Os principais macrolídeos são: Eritromicina,

claritromicina, azitromicina, roxitromicina, espiramicina, miocamicina, diritromicina.

Possuem espectro bacteriano semelhante aos das penicilinas, principalmente a eritromicina sendo

freqüentemente o fármaco de escolha para pacientes alérgicos à penicilina.

A eritromicina (Pantomicina) (Ilosone) constitui a alternativa à tetraciclina no tratamento das

infecções não complicadas devido à Chlamydia na uretra, endocérvix, reto e epidídimo. 17

Inclusive na gravidez, avaliando os riscos e benefícios, nas infecções urogenitais provocadas

por este microrganismo, a eritromicina pode ser o fármaco de escolha, (não usar as tetraciclinas,

nem as sulfonamidas devido às complicações), assim como na pneumonia atípica (provocada por

mycoplasma). Deve-se lembrar que a maioria das cepas de estafilococos que ocorrem em

hospitais são resistentes a este fármaco. Existem formas comercializadas mais adequadas, pois,

sendo a eritromicina destruída pelo ácido gástrico, para a administração oral, é importante, com a

a apresentação de comprimidos revestidos para absorção entérica ou em formas esterificadas, e,

os alimentos interferem na absorção da eritromicina.

O desconforto gástrico é o efeito adverso mais freqüente, levando à suspensão do tratamento. A

eritromicina pode estimular os receptores de motilina no intestino, e, pode provocar náuseas

levando a recusa do paciente pela continuidade do tratamento com esse antibiótico.

Embora a eritromicina também possa ser administrada por via parenteral (intravenosa), as

injeções intravenosas podem provocar tromboflebite local, inclusive com alta incidência, e, o uso

parenteral da eritromicina tem sido muito criticado por alguns autores devido provocar a

ototoxicidade.

Em altas doses, a eritromicina pode provocar surdez temporária, e, pacientes com disfunção

hepática não devem ser tratados com este fármaco devido a possibilidade de acúmulo no fígado.

A eritromicina não deve ser administrada a pacientes em uso de carbamazepina (Tegretol)

devido à possibilidade de ocorrer vômitos, torpor e ataxia. Paciente em uso de warfarin

(anticoagulante) não é recomendável o uso de eritromicina devido ao risco de aumento da ação

anticoagulante levando à hemorragia.

A claritromicina (Klaricid) (Lagur) é derivada da eritromicina e penetra melhor a membrana

externa das bactérias gram-positivas do que a eritromicina, sendo a claritromicina duas a quatro

vezes mais potente, além de ser resistente ao meio ácido, inclusive o alimento aumenta a

absorção da claritromicina. Embora tenha espectro semelhante ao eritromicina, a claritromicina

possui maior atividade contra microrganismos intracelulares, como a Chlamydia, Legionella e

Ureaplasma. Em pacientes com AIDS que freqüentemente são acometidos pelo Mycobacterium

avium, a claritromicina é mais eficaz do que a azitromicina. A claritromicina é administrada

unicamente por via oral, e, seus efeitos adversos consistem em cefaléia, dispepsia, náusea, dor

abdominal, paladar anormal, podendo provocar em pacientes sensíveis erupção cutânea

trombocitopenia e hepatite.

Em pacientes com função renal comprometida, a dose deve ser ajustada, pois, a claritromicina é

eliminada por via renal e hepática. A eritromicina e a azitromicina são primariamente

concentradas e eliminadas em forma ativa na bile. (Alguns autores contra-indicam o uso da

eritromicina e das tetraciclinas em pacientes com disfunção hepática devido estes antibióticos se

concentrarem no fígado).

A azitromicina (Clindal) (Novatrex) (Zitromax), obtida por semi-síntese, é considerada o

primeiro membro da classe de antibióticos denominados azalídios. Os demais azalídios são:

roxitromicina e diritromicina.

Como possui um átomo de nitrogênio (o que não existe na eritromicina), apresentando dois

grupamentos amínicos básicos, possui maior facilidade de atravessar as membranas celulares

aumentando a concentração nos tecidos, além de possuir maior espectro contra os

microrganismos Gram-positivos, tem maior atividade contra alguns Gram-negativos, como

Haemophilus influenzae e Moraxella catarrhalis. A azitromicina é muito mais estável em meio

ácido (os antiácidos reduzem sua concentração máxima), mas, é menos ativa contra

estreptococos e estafilococos do que a eritromicina. A via de administração da azitromicina é

exclusivamente oral, e, seus efeitos adversos consistem em diarréia, fezes amolecidas,

flatulência, desconforto abdominal, podendo em alguns casos provocar náuseas e vômitos, além

de erupções cutâneas, angiodema, e, pode também levar a anafilaxia em pessoas sensíveis.

Roxitromicina (Floxid) (Rotram) (Rulid), outro derivado semi-sintético da eritromicina, com

espectro de ação semelhante ao eritromicina, administrado somente por via oral, a absorção

diminui se ingerido depois da refeição, entretanto, utilizado antes da refeição não interfere na

absorção. Os efeitos adversos são semelhantes aos da eritromicina. 18

A espiramicina (Rovamicina) consiste em mistura de três antibióticos macrolídicos isolada de

culturas de Streptomyces ambofaciens, com ação antimicrobiana semelhante aos da eritromicina,

entretanto, embora seja bacteriostática nas concentrações séricas, pode ser bactericida nas

concentrações altas. Administrada por unicamente via oral, é absorvida irregularmente e

parcialmente, devendo ser ingerida duas a três horas antes das refeições. Em pessoas sensíveis,

pode apresentar os seguintes efeitos adversos: náuseas, vômitos, diarréia, hepatotoxicidade,

fadiga, epistaxe, opressão no tórax.

A miocamicina (Mecacin) (Midecamin) consiste em outro macrolídeo semi-sintético,

bacteriostático, e, apresenta atividade contra o Staphylococcus aureus inclusive contra cepas

resistentes à eritromicina. Administrado somente por via oral, é utilizado no tratamento de

amigdalites e outras infecções bacterianas do trato respiratório provocadas por germes sensíveis.

Pode inibir a ação bactericida de penicilinas e cefalosporinas, e, também antagoniza os efeitos

das lincosamidas. Os efeitos adversos da miocamicina consistem náuseas, vômitos, diarréia,

desconforto abdominal, podendo provocar em pacientes sensíveis exantemas, prurido, urticária

angioedema, fenômenos respiratórios.

A diritromicina (Dynabac) derivado da eritromicina possui o mesmo mecanismo de ação,

entretanto, é mais lipossolúvel permitindo concentrações teciduais mais altas e prolongadas do

que a eritromicina, podendo inclusive ser administrada em dose única diária, sempre

exclusivamente por via oral. Não é recomendável o uso em crianças menores do que cinco anos,

e, os principais efeitos adversos são semelhantes aos da eritromicina.



Anfenicóis



Compreende o grupo do cloranfenicol e seus análogos embora seja bacteriostáticos nas

concentrações séricas, pode ser bactericidas nas concentrações altas. Devido ser lipossolúveis,

atravessam a membrana da célula das bactérias, ligando-se (de modo reversível) aos ribossomos

bacterianos (especialmente à subunidade 50 S), impedindo a transferência de aminoácidos, e,

conseqüentemente bloqueando a biossíntese protéica pelos microrganismos. Os principais

anfenicóis são o cloranfenicol e o tianfenicol.

Cloranfenicol (Farmicetina) (Quemicetina) (Sintomicetina).

Inicialmente isolado do Streptomyces venezuelae, e, atualmente produzido por síntese, o

cloranfenicol inibe a síntese protéica nas bactérias através da ligação à subunidade 50S do

ribossoma bacteriano, sendo considerado um antibiótico de amplo espectro, ativo também contra

outros microrganismos, além das bactérias, como as riquétsias.

O cloranfenicol é o fármaco de escolha em caso de febre tifóide e também na meningite

provocada por H.influenzae em crianças pequenas, especialmente quando a cepa é resistente à

ampicilina.

Pode ser administrado por via oral, parenteral e tópica (incluindo ocular e canal do ouvido).

Entretanto, devido à toxicidade, o uso sistêmico, encontra-se restrito às infecções graves,

principalmente, quando não existe outro fármaco para o respectivo tratamento. Portanto, não

deve ser usado em infecções que não sejam graves, nem também como uso profilático.

Como efeitos adversos, além de problemas gastrintestinais, pode ocorrer superinfecção com

Candida albicans em membranas mucosas. Outros efeitos adversos do cloranfenicol consistem

em anemias hemolítica e na freqüentemente fatal anemia aplásica (devido a depressão

idiossincrásica da medula óssea) independente da dose utilizada, e, mesmo após ter sido

suspenso o tratamento. Em recém-nascidos, devido à baixa capacidade de conjugação hepática

(glicuronidação) e as funções renais não se encontrarem completamente desenvolvidos, o

cloranfenicol pode provocar a Síndrome cinzenta do recém-nascido (também denominada

Síndrome do bebê cinza ou Síndrome do bebê cinzento) devido a cianose que pode ocorrer, além

de má alimentação, depressão da respiração (principal causa da cianose), colapso cardiovascular

e morte, provocados pelo acúmulo do antibiótico nas mitocôndrias.

Deve ser evitado o uso por gestantes e lactantes porque o cloranfenicol atravessa a placenta e é

excretado pelo leite materno, e, deve ser evitado o uso de bebidas alcoólicas devido ao efeito

dissulfiram provocado pela interação das drogas. 19

O tianfenicol (Glitisol) (Flogotisol) embora possua atividade semelhante ao cloranfenicol, o

tianfenicol é mais eficaz contra a Neisseria e Haemophilus. Parece não provocar a anemia

aplástica nem a síndrome cinzenta em recém-nascidos. A administração pode ser por via oral,

intramuscular, intravenosa e via retal (supositórios), devendo a dose ser reduzida em pacientes

com insuficiência renal. Os demais efeitos adversos são semelhantes aos do cloranfenicol.



Lincosamidas



As lincosamidas são antibióticos derivados do aminoácido propil-higrínico e, em suas estruturas

contém uma função básica, o nitrogênio pirrolidínico, pela qual formam facilmente sais

hidrossolúveis. São considerados bacteriostáticos, entretanto, quando usados contra

microrganismos muito sensíveis ou em altas doses, podem ser bactericidas. Possuem mecanismo

de ação semelhante ao observado para os macrolídios e o cloranfenicol, inibindo a síntese

protéica pelos microrganismos.

As lincosamidas são ativas contra a maioria das bactérias Gram-positivas e diversas Gram-

negativas anaeróbias. Não devem ser usadas por gestantes e lactantes.

O efeito adverso mais grave das lincosamidas é a colite pseudomembranosa, causada pela toxina

necrosante secretada por cepas de Clostridium difficile, ocorrendo principalmente em mulheres

de meia-idade e idosas, muitas vezes após intervenção cirúrgica. (A colite pseudomembranosa

também pode ser provocada por ampicilina e cefalosporinas, e, é tratada com a vancomicina).

Atualmente, as lincosamidas devem ser somente utilizadas para as infecções graves em que os

antimicrobianos menos tóxicos não são apropriados.

As principais lincosamidas são: lincomicina e a clindamicina.

A lincomicina (Frademicina) (Macrolin), obtida de culturas do actinomiceto Streptomyces

lincolnensis, embora utilizada no tratamento de infecções graves causadas por cepas sensíveis de

estafilococos, estreptococos e pneumococos, tem sido considerada uma droga obsoleta, embora

em casos restritos ainda possa ser ministrada, por via oral e parenteral, pois, a clindamicina (seu

derivado) apresenta maior atividade contra os microrganismos e causa menos efeitos adversos.

A clindamicina (Dalacin), derivado da lincomicina, é considerado um fármaco antibacteriano e

antiprotozoário, administrado por via oral, parenteral e em creme vaginal, ativo contra a maioria

das bactérias Gram-positivas e diversas Gram-negativas anaeróbias, incluindo a toxoplasmose do

sistema nervoso central.



QUINOLÔNICOS e ANTI-SÉPTICOS E ANALGÉSICOS DO TRATO URINÁRIO



A enzima denominada DNA girase ou topoisomerase II é a responsável pela iniciação da síntese

de DNA na bactéria, enquanto os quinolônicos interferem na ação desta enzima, inibindo a

duplicação do DNA necessária à duplicação do microrganismo. Embora verifica-se uma elevada

resistência dos estafilococos, este grupo de fármacos são indicados principalmente em infecções

complicadas das vias urinárias; e, são também indicados no tratamento de infecções provocadas

pelo Pseudomonas aeruginosa como em infecções respiratórias e otite externa; osteomielite

bacilar Gram-negativa crônica; e, erradicação de salmonelas em portadores.

Os quinolônicos ou quinolonas são subdivididos em não fluorados, e, fluorados.

Os quinolônicos não fluorados são: ácido nalidíxico (Wintomylon); ácido oxolínico (Urilin);

ácido pipemídico (Balurol) (Pipram) Pipurol); e, rosoxacino (Eradacil).

Os quinolônicos fluorados, também denominados fluoroquinolônicos ou fluorquinolonas,

são: Ciprofloxacino (Ciflox) (Procin); gatinofloxacino (Tequin); levofloxacino (Levaquim)

(Tavanic); lomefloxacino (Maxaquin); moxifloxacino (Avalox); norfloxacino (Floxacin)

(Respexil); ofloxacino (Floxstat) (Oflox); pefloxacino (Peflacin).

A presença do flúor aumenta a atividade inibidora da DNA-girase e a atividade contra os

estafilococos. A maioria destes fármacos é administrada por via oral, mas, alguns destes são

também administrados por via parenteral, como o ciprofloxacino, e, o levofloxacino

Os fármacos quinolônicos (fluorados ou não) não devem ser utilizados na gravidez, nem em fase

de lactação, e, inclusive a idade mínima para o uso dos fármacos fluoroquinolônicos é de 18 20

anos, pois, pode provocar lesões articulares permanentes, devido a erosão da cartilagem que

tem ocorrido em crianças e adolescentes com estas drogas.

Quanto à terminologia, alguns autores referem que todos os quinolônicos devem escritos com a

terminação em artigo masculino (o), como ciprofloxacino, rosaxacino, pefloxacino, embora

possa ser também encontrada na literatura, a grafia destes fármacos no gênero feminino como

ciprofloxacina, pefloxacina e demais drogas deste grupo.

O norfloxacino e o ofloxacino também são utilizados no tratamento da gonorréia; o

norfloxacino no tratamento da prostatite bacteriana; e, o ofloxacino é utilizado no tratamento da

cervicite.

Os quinolônicos não fluorados são administrados unicamente por via oral, concentram-se

somente na urina, portanto, devem ser indicados apenas para o tratamento de infecções do trato

urinário. E, todos os quinolônicos (fluorados ou não), não devem ser administrados em gestantes

e lactantes, nem é recomendável para pacientes com a idade inferior a quinze anos, nem como a

pessoas com o histórico de crises convulsivas. Devido ao risco de fotossensibilização, durante o

tratamento deve-se evitar exposição aos raios ultravioletas. anti-sépticos do trato urinário.

A cefaléia, tontura e a dor abdominal podem como efeitos adversos com o uso de todos os

quinolônicos.

Estudos recentes revelam que alguns pacientes podem apresentar excitação do SNC

(neuroexcitação) devido ao uso de ciprofloxacino levando a irritabilidade, confusão, agitação, e,

até mesmo convulsões. Estes efeitos adversos (quando ocorrem) são provocados devido a

possibilidade do ciprofloxacino interferir de modo significativo na fisiologia normal do GABA.

(O GABA corresponde ao ácido gama-aminobutírico que consiste no principal transmissor

inibitório no cérebro, possuindo uma distribuição bastante uniforme em todo o cérebro, e, ocorre

em quantidade muito pequena nos tecidos periféricos. O GABA é formado a partir do glutamato

pela ação do ácido glutâmico descarboxilase conhecido como GAD, e, que é uma enzima

encontrada somente em neurônios que sintetizam GABA no cérebro. Possivelmente, cerca de

30% de todas as sinapses no SNC tem como transmissor o GABA).



Os anti-sépticos e analgésicos do trato urinário mais utilizados, são: nitrofurantoína

(Macrodantina); e, metenamina (Neohexal); (Sepurin); e, fenazopiridina (Pyridium).

A nitrofurantoína apresenta atividade contra uma variedade de microrganismos Gram-positivos

e Gram-negativos que acometem às vias urinárias, com mecanismo de ação provavelmente sobre

as flavoproteínas bacterianas podendo causar dano ao DNA das bactérias. Administrada somente

por via oral, a nitrofurantoína é mais ativa na urina ácida.

Recomenda-se que a acidez urinária deve ser mantida a pH de 5,5 ou ainda mais baixo, o que

pode ser obtido com o ácido ascórbico (vitamina C), arginina, metionina e dieta rica em

proteínas. Podendo também ser utilizado o cloreto de amônio, lembrando que doses excessivas

de acidificantes em pacientes portadores de insuficiência renal, podem provocar a acidose

metabólica. Para facilitar a acidificação da urina deve-se evitar antiácidos à base de carbonato de

sódio ou de bicarbonato, a ingestão de frutas, de leite e derivados.

Os principais efeitos adversos da nitrofurantoína são: náuseas, vômitos e diarréia. Tem sido

também relatados pneumonite aguda e efeitos neurológicos (cefaléia, nistagmo e polineuropatias,

provocando no paciente tendência a tropeçar) com o uso da nitrofurantoína.

A metenamina é utilizada em associação com o ácido ascórbico (para a acidificação da urina)

em infecções crônicas das vias urinárias, embora não seja um fármaco útil em infecções agudas

do trato urinário. Deve-se evitar o uso prolongado de doses altas de metenamina porque pode

provocar a liberação de formaldeído o que irrita a mucosa do trato urinário.

A fenazopiridina é considerada apenas um analgésico sobre a mucosa do trato urinário, e, pode

ser utilizada em associação com a terapia antibacteriana, entretanto, não deve ser administrada

por mais de 48 horas, nem deve usada por gestantes. O uso deste fármaco pode provocar

coloração vermelha ou alanrajada da urina, assim como manchas da roupa.



FÁRMACOS ANTIMICOBACTÉRIAS

21

Os fármacos antimicobactérias consistem nas drogas que agem contra o Mycobacterium

tuberculosis (causa a tuberculose pulmonar e extrapulmonar), e, contra Mycobacterium leprae

(que provoca a Doença de Hansen).

Drogas utilizadas no tratamento da tuberculose.

A resistência bacteriana aos fármacos é um importante problema na quimioterapia da

tuberculose, por este motivo, é recomendada a administração de duas ou mais drogas para

retardar o surgimento de cepas resistentes à droga. Consideram-se fármacos de primeira linha

os que possuem menor toxicidade e maior eficácia, enquanto os fármacos de segunda linha são

o que possuem maior toxicidade, além de menor eficácia.

Os principais fármacos também denominados de primeira linha utilizados no tratamento da

tuberculose são: Isoniazida (INH), etionamida (ETH), pirazinamida (PZA), etambutol

(EMB), rifamicinas (RMP), e, estreptomicina (SM).

Os fármacos chamados de segunda linha para o tratamento da tuberculose são: Ciclosserina

(CS), e, o ácido amino-salicílico

A isoniazida (INH) consiste na hidrazida do ácido isonicotínico, um análogo sintético da

piridoxina, que inibe a síntese da parede celular da micobactéria por inibir a síntese do ácido

micólico. A isoniazida é administrada por via oral, e, difunde-se para todos os líquidos orgânicos

inclusive no LCR, sendo usada no tratamento de todos os tipos de tuberculose.

Os fármacos mais utilizados no tratamento da Tuberculose não têm como contra-indicação

a gravidez, inclusive é imprescindível o tratamento da gestante devido às complicações da

doença, embora deva ser evitada a lactação.

A toxicidade da INH ocorre mais freqüentemente no nível do SNC e periférico devido à

competição entre o INH e o fosfato de piridoxal pela enzima apoptriptofanase, provocando uma

deficiência relativa de piridoxina, o que causa neurite periférica, insônia e contração muscular.

Para evitar estes e outros efeitos adversos, a piridoxina deve ser administrada em doses

suplementares aos pacientes submetidos a tratamentos prolongados com a isoniazida.

Pode ocorrer também a hepatite provocada pela isoniazida, principalmente em pessoas idosas

que pode ser fatal. Tem sido relatados também anormalidades mentais e convulsões.

Etionamida (ETH) – fármaco do grupo das amidas heterocíclicas, age inibindo a síntese

protéica pelo bacilo de Koch. Não é recomendada em pacientes com diabetes mellitus, em

lactantes, nem em crianças. Alguns autores recomendam a etionamida como fármaco de segunda

linha devido à toxicidade.

Pirazinamida (PZA) – trata-se de outro fármaco do grupo das amidas heterocíclicas, entretanto,

pouco se conhece sobre o mecanismo de ação. Administrada por via oral, também está contra-

indicado em crianças. Devido provocar a retenção de uratos não é recomendável o uso em

pacientes com a doença Gota. Em altas doses pode provocar a hepatoxicidade.

Etambutol (EMB) – ainda com mecanismo de ação desconhecido, o etambutol é administrado

por via oral. Como penetra no LCR é utilizado também no tratamento da meningite tuberculosa.

Não são comuns os efeitos adversos, que podem ocorrer como distúrbios gastrintestinais,

artralgia, cefaléia, e, neurite óptica. E, pode provocar a exacerbação da doença Gota, pois,

diminui a excreção de uratos.

Rifamicinas ou ansamicinas.

Derivadas do fungo do solo Streptomyces, constituem o grupo de antibióticos que possuem um

grupamento aromático e uma longa ponte macrocíclica alifática (chamada ansa, que em latim,

significa alça) entre duas posições não adjacentes do núcleo aromático. Possuem atividade contra

bactérias gram-positivas, o Mycobacterium tuberculosis, e, o Mycobacterium leprae.

As rifamicinas são administradas por via oral, e, apresentam atividade contra muitas espécies

Gram-positivas e Gram-negativas, sendo que as comercializadas no Brasil, são: Rifamicina

(Rifocina), rifamida (Rifocina M), rifampicina (Rifaldin).

As rifamicinas podem provocar a coloração laranja-avermelhado na urina, fezes, e, inclusive as

lentes de contato podem ser coloridas permanentemente através da lágrima. Os demais efeitos

adversos não são freqüentes, como erupções cutâneas e distúrbios gastrintestinais.

Pode ocorrer diminuição da eficácia de anticoncepcionais a administração de rifampicina. 22

A estreptomicina já foi estudada no grupo dos aminoglicosídeos, sendo raramente utilizada

devido a otoxicidade, principalmente vestibular, e, também a nefrotoxicidade.

A cicloserina constitui um fármaco tuberculostático administrado por via oral, que age sobre

inibindo a síntese da parede bacteriana. Pode ocorrer acúmulo desta droga no rim, em caso de

insuficiência renal. Os efeitos adversos incluem: neuropatias periféricas, e, pode ocorrer

exacerbação de crises convulsivas em pacientes com a epilepsia.

O ácido amino-salicílico não tem sido tolerado por muitos pacientes, sendo raramente utilizado.



Drogas utilizadas no tratamento da Doença de Hansen.

No tratamento da Doença de Hansen também conhecida como Hanseníase são recomendados os

seguintes fármacos: Dapsona, clofazimina, e, rifampicina.

A dapsona, quimicamente relacionada com as sulfonamidas, inibe a síntese de folato pela

Mycobacterium leprae, sendo administrada por via oral, entretanto, os efeitos adversos são

freqüentes, como a hemólise, o que pode provocar a anemia, dermatite, neuropatia, anorexia,

náuseas e vômitos.

A clofazimina trata-se de um corante que não passa para o SNC, parece que tem ação sobre o

DNA da micobactéria, e. os efeitos adversos incluem a discromia marrom-avermelhada da pele,

e distúrbios gastrintestinais.

A rifamicina já foi estudada como droga usada no tratamento da tuberculose, sendo também

utilizada no tratamento da Doença de Hansen.

No tratamento da hanseníase tubrculóide são utilizadas a dapsona e a rifampicina. No

tratamento da hanseníase lepromatosa (com muitos bacilos) são utilizadas a dapsona, a

rifampicina e a clofazimina.



ANTIBIÓTICOS COM AÇÃO PREDOMINANTE SOBRE PROTOZOÁRIOS



Os antibióticos mais utilizados com ação predominante sobre os protozoários são:

Metronidazol, e, a furazolidona.

O metronidazol (Flagyl) (Ginovagin) é um composto de baixo peso molecular (5-

nitroimidazólico) que penetra em todos os tecidos e líquidos do corpo humano, considerado

como fármaco de escolha para a tricomoníase em mulheres, e, nos estados de portador em

homens, sendo também utilizado no tratamento da giardíase e amebíase.

Em relação às bactérias, o uso deve ser limitado às bactérias anaeróbicas, incluindo o B. fragilis.

Os Clostridium que provocam a colite pseudomembranosa podem ser tratados com o

metronidazol. O metronidazol é indicado também no tratamento da vaginite por Gardnerella

vaginalis, assim como. na profilaxia de infecção pós-operatória, em pacientes que vão submeter-

se a cirurgia colorretal eletiva classificada como contaminada.

Conforme a apresentação e necessidade, a administração pode ser oral, parenteral e em creme

vaginal.

Os efeitos adversos mais comuns com o uso do metronidazol, são: náuseas, vômitos, desconforto

abdominal, e, a sensação de gosto metálico. O efeito dissulfiram pode ocorrer, devendo o

paciente ser advertido para evitar o uso concomitante com bebidas alcoólicas. Em caso de

parestesia deve ser suspenso imediatamente o tratamento.

A furazolidona (Giarlam) corresponde à oxazolidinona de derivado do 5-nitrofurano, com ação

que provoca a formação de ácidos livres nas células dos parasitas, entretanto, produz menos

efeitos danosos às células dos mamíferos. A furazolidona é indicada no tratamento da giardíase e

de enterites e disenterias causadas por bactérias sensíveis como Salmonella e Shigella.

A furazolidona é administrada unicamente por via oral, e, deve-se evitar a ingestão de álcool

durante e até quatro dias após o tratamento devido ao efeito dissulfiram. Não deve ser usada por

gestantes nem lactantes.

Os principais efeitos adversos são: náusea, vômitos, hipotensão, urticária, artralgia, cefaléia e

mal-estar.

23

RESUMO DAS INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS DOS ANTIBIÓTICOS COM

ALIMENTOS



Antibióticos que têm a absorção diminuída

pela presença de alimentos

Antibióticos que não têm a absorção

diminuída pela presença de alimentos

Azitromicina - penicilina V – estearato de

eritromicina – fosfomicina – ampicilina –

norfloxacino - novobiocina – lincomicina –

tetraciclina

Amoxicilina – bacampicilina – cefalosporinas

– estolato de eritromicina – clindamicina –

cloranfenicol – doxiciclina – minociclina –

rifampicina



Geralmente, embora a amoxicilina possa ser administrada com alimentos, alguns estudos não

recomendam o uso com cereja, pois, o corante vermelho pode interagir com este fármaco

reduzindo a potência.



PROFILAXIA COM ANTIBIÓTICOS ou QUIMIOPROFILAXIA



O uso profilático com antibióticos (e, não propriamente para o tratamento de infecções) deve ser

restringido às situações em que os benefícios superem os riscos potenciais, lembrando que a

duração da profilaxia deve ser restrita a duração do risco da infecção. O uso indiscriminado de

antibióticos pode provocar a resistência bacteriana e superinfecções.

Assim, a quimioprofilaxia para doenças infecciosas refere-se ao uso de uma droga por um

paciente com risco aumentado para o desenvolvimento de infecção, tendo por objetivo reduzir a

incidência de doença, e, de morte.

Existem cinco situações clínicas mais freqüentes em que o uso de antibiótico torna-se necessário

com o objetivo da prevenção de doenças, que são:

1 – Em pacientes com doença cardíaca reumática (Febre Reumática) para a prevenção de

infecções estreptocócicas (estreptococo beta-hemolítico do grupo A). Nessa patologia, também a

prevenção é importante até cinco anos após a última crise de Febre Reumática, mesmo sem a

doença cardíaca, principalmente em menores de 18 anos de idade, para evitar a cardite.

A penicilina G benzatina (Benzetacil) é a recomendada para o paciente que não é alérgico à

penicilina, enquanto a eritromicina é a droga de escolha para os alérgicos à penicilina. Alguns

autores não recomendam a sulfa devido ser bacteriostática.

2 – No pré-tratamento de pacientes que necessitam ser submetidos a procedimentos dentários,

principalmente que possuam prótese cardíaca ou doença cardíaca preexistente (como a estenose

da valva mitral), sendo necessária a administração prévia de antibióticos como a amoxicilina,

inclusive em doses de ataques mais elevadas.

3 – Prevenção de doenças contagiosas bacterianas como a Tuberculose, a Meningite

meningocócica, e, a Doença de Hansen (Hanseníase) em pessoas que tenham mantido contato

íntimo com pacientes infectados. Em caso da Tuberculose é utilizada a isoniazida (INH), e, na

Meningite meningocócica (prevenção e tratamento de portadores assintomáticos de

meningococo) é utilizada a rifampicina (alguns autores também citam que a minociclina pode

ser utilizada na profilaxia meningocócica). Na quimioprofilaxia da Doença de Hansen é

utilizada a dapsona.



Objetivando a quimioprofilaxia da Tuberculose, é recomendado principalmente em crianças que

tiveram contato com adultos com infecção tuberculosa, e, em indivíduos soropositivos para HIV,

(devendo também ser pesquisados indícios da doença como febre recorrente, perda de peso, tosse

e adenopatia) o teste tuberculínico intracutâneo, que consiste no derivado protéico purificado

(PPD) ou Teste de Mantoux, extraído do bacilo, aplicado na face anterior do antebraço,

utilizando 0,1 ml.

Entre 48 a 72 horas após é interpretado, sendo considerado não reator se a enduração medida

com régua milimetrada, apresentar até 4 mm; reator fraco se apresentar 5 a 9 mm; e, reator forte

se alcançar 10 ou mais mm. 24

Em indivíduos soropositivos para HIV, deve ser iniciada a quimioprofilaxia com a Isoniazida,

levando em consideração apenas o PPD. E, atualmente, em crianças com idade inferior a quinze

anos, mesmo sem HIV, e, sem sintomas de Tuberculose, mas, que seja reator forte ao PPD

também deve ser administrada a isoniazida de modo profilático (geralmente, durante seis

meses).

A gestante que for diagnosticada com a Tuberculose deve ser tratada imediatamente, e,

administrar Piridoxina (Vitamina B6) durante toda a gestação (na dose de 50 mg/dia) para evitar

a neurite medicamentosa induzida pela isoniazida.



Resumo sobre a Meningite meningocócica

A doença meningocócica é uma infecção bacteriana aguda, rapidamente fatal, causada pela

Neisseria meningitidis. Esta bactéria pode causar inflamação nas membranas que revestem o

sistema nervoso central (meningite) e infecção generalizada (meningococcemia). Existem 13

sorogrupos identificados de N. meningitidis, porém os que mais freqüentemente causam doença

são o A, o B, o C, o Y e o W135.

Estima-se a ocorrência de pelo menos 500 mil casos de doença meningocócica por ano no

mundo, com cerca de 50 mil óbitos. É uma doença de evolução rápida e com alta letalidade, que

varia de 7 até 70%. Mesmo em países com assistência médica adequada, a meningococcemia

pode ter uma letalidade de até 40%. Geralmente acomete crianças e adultos jovens, mas em

situações epidêmicas, a doença pode atingir pessoas de todas as faixas etárias.

A quimioprofilaxia, quando indicada, deve ser iniciada o mais precocemente possível, de

preferência nas primeiras 24 horas, pois a chance de um indivíduo evoluir com doença invasiva é

maior nos primeiros cinco dias após a infecção. A eficácia da quimioprofilaxia, quando feita

adequadamente, é de 90 – 95%. Portanto, mesmo os contactantes que receberam a

quimioprofilaxia podem vir a adoecer e devem estar alerta para o aparecimento dos primeiros

sintomas, pois o retardo no início do tratamento implica em maior letalidade

A doença meningocócica tem início abrupto e evolução rápida, podendo levar ao óbito em

menos de 24 a 48 horas.

As manifestações iniciais da meningite meningocócica são: Febre alta, prostração, dor de cabeça,

vômitos, aparecimento na pele de pequenas manchas violáceas (petéquias) que inicialmente são

semelhantes às picadas de mosquitos mas que rapidamente aumentam de número e de tamanho,

dor e dificuldade na movimentação do pescoço (rigidez de nuca).

Em crianças com menos de um ano de idade, as manifestações da meningite podem ser mais

inespecíficas como febre, irritação, choro constante e abaulamento da fontanela (“moleira”) sem

rigidez de nuca. Se não for rapidamente tratada com antibióticos, a doença pode evoluir com

confusão mental, e, coma.



Quando se identifica um caso de Doença de Hansen tornam-se necessários que todos os

contactantes sejam submetidos a exame físico realizando biópsias nas lesões suspeitas, e, como o

perigo de contágio é muito maior em jovens com menos de 16 anos de idade, o uso profilático de

dapsona tem sido recomendado.



4 – Prevenção de infecção em pacientes de determinados procedimentos cirúrgicos, por exemplo,

substituição de articulação, cirurgia de bexiga urinária e algumas intervenções ginecológicas.

A escolha do melhor esquema do uso de antibióticos como profiláticos deve ser fundamentada

em trabalhos publicados, e, em dados fornecidos pelo laboratório de microbiologia local. Muitas

vezes não há consenso em relação aos protocolos, com diferenças de orientação entre diversas

instituições, devendo a escolha ser feita, sempre que possível, após ampla discussão com os

profissionais responsáveis pela sua indicação.



4 – Prevenção de infecção em pacientes de determinados procedimentos cirúrgicos, por exemplo,

substituição de articulação, cirurgia de bexiga urinária e algumas intervenções ginecológicas.

A escolha do melhor esquema do uso de antibióticos como profiláticos deve ser fundamentada

em trabalhos publicados, e, em dados fornecidos pelo laboratório de microbiologia local. Muitas 25

vezes não há consenso em relação aos protocolos, com diferenças de orientação entre diversas

instituições, devendo a escolha ser feita, sempre que possível, após ampla discussão com os

profissionais responsáveis pela sua indicação.



5 – Em gestantes infectadas pelo HIV. Recomenda-se a realização do teste anti-HIV com

aconselhamento, e, com consentimento para todas as gestantes na primeira consulta pré-natal.

As gestantes infectadas pelo HIV deverão sempre receber a profilaxia com drogas anti-

retrovirais com o objetivo de reduzir a transmissão vertical, sendo que a orientação do

tratamento, e, assim como a profilaxia dependem de critérios clínicos e laboratoriais.

O fármaco zidovudina (ou azidotimidina) conhecido também por AZT (Retrovir) devido à sigla

do nome químico 3'-azido-2',3'-didesoxitimidina (as letras em negrito foram colocadas nessa

Apostila para identificar a sigla) é recomendado para a quimioprofilaxia, sempre que possível,

em gestantes infectadas com HIV para proteger o feto, a partir da 14ª semana de gestação, e,

continuar durante o trabalho de parto até o clampeamento do cordão umbilical.

Estudos indicam que, sem qualquer intervenção, a transmissão vertical do HIV situa-se em torno

de 20%. Enquanto com a quimioprofilaxia adequada ocorre uma redução de zero a 2% de risco

para a citada transmissão vertical. Devendo lembrar também a necessidade de outras

intervenções como a cesariana, e, a substituição do aleitamento materno.

Se a oportunidade de profilaxia com drogas anti-retrovirais no início da gestação for perdida, a

referida quimioprofilaxia poderá ser iniciada em qualquer idade gestacional, incluindo o

momento do parto.

A repetição da sorologia para HIV, seja ao longo da gestação ou na admissão para parto, deverá

ser considerada em situações de exposição constante ao risco de aquisição do vírus ou quando a

mulher se encontra no período de janela imunológica.

Janela imunológica consiste no período de tempo entre a aquisição do vírus (da infecção), e, a

presença de anticorpos na corrente sangüínea (também chamada de janela biológica). Lembrando

que os testes diagnósticos mais precoces detectam a presença de anticorpos para o HIV, e, devem

ser realizados somente após este período.

Denominamos de soroconversão a positivação da sorologia para o HIV (presença de

anticorpos), que, muitas vezes, ocorre entre 6 a 12 semanas após o contágio.

Hoje, para fins de identificação de anticorpos anti-HIV no exame de sangue do doador, com os

métodos laboratoriais existentes no País, esse período fica entre 15 dias e 16 dias (após o

contágio do doador), mas, possivelmente, o Ministério da Saúde deve lançar até 2007 um novo

método que reduz de 15 dias para 11 dias.

Assim, as vezes, as informações obtidas na entrevista do doador constituem o único método para

evitar a janela imunológica, pois, se o doador for contaminado muito recentemente, por exemplo,

cerca de dez dias antes de doar o sangue, e, não informar essa possibilidade, torna-se difícil (ou

impossível) a identificação de anticorpos no sangue doador, enquanto a quantidade do vírus

ainda é muito reduzida na corrente sangüínea, o que pode levar à contaminação do paciente que

utilizar o respectivo sangue.

Em recém-nascido de gestante com HIV também é administrada a zidovudina na apresentação

oral de modo profilático nas primeiras oito horas após o nascimento (preferencialmente nas

primeiras duas horas após o nascimento), e, mantida a medicação durante as primeiras seis

semanas de vida (42 dias).

Os principais efeitos colaterais da zidovudina são: Anemia, neutropenia, náusea, cefaléia, insônia

dores musculares, e, astenia.

Obs: Objetivando reduzir o quantitativo de folhas a serem impressas pelo profissional de

saúde ou aluno(a), as referências bibliográficas de todas as Apostilas encontram-se

separadamente na Bibliografia nesse site (www.easo.com.br)

Comentários

Anônimo disse…
Oi tudo bom? Eu tenho aquele piercing de argola com uma bolinha no meio no tubercole (pode ser? na parte do meio pra cima da orelha) e ta muito inflamado e eu nao tou conseguindo tirar o piercing. Ja tentei rosqueando a bolinha e nao acontece nada! Como que tira esse piercing?
Brigada
um bom piercer pode limpar e tirar pra vc, a argola no geral serura-se a argola e com o polegar empurra a bolinha de lado ,para fora... tem que ver a infecção...

ASSIS TATUADOR

ASSIS TATUADOR
ARTISTA PERFIL FACEBOOK